LAZER, CULTURA E AMEAÇA DE REINTEGRAÇÃO NAS OCUPAÇÕES DO CENTRO DE SP

reintegração marcada para 8 de novembro

 Dois prédios, do quatro ocupados desde o início de outubro, já receberam aviso de reintegração:  Av. Ipiranga e Av. Nove de Julho.  Enquanto a reintegração não chega, as famílias continuam sua rotina.  Neste final de semana tem lazer e cultura.

Reintegração -IPIRANGA – data prevista para reintegração de posse 8 de novembro; INSS AV. 9 DE JULHO –  data prevista para reintegração de posse – 18 de novembro.

CULTURA  E LAZER

SÁBADO  6 DE NOVEMBRO – CAMPEONATO DE FUTEBOL

Ingresso 1kg de alimento – a partir das 10hs

Rua Werner  Simens,350 – Ponte do Piqueri – Lapa

DOMINGO 7 DE NOVEMBRO

 CRIAÇÃO DA BIBLIOTECA COMUNITÁRIA DA OCUPAÇÃO MAUÁ

“…Abrindo novas e velhas esperanças…”

 Neste domingo, 7 de novembro tem mutirão de criação da Biblioteca comunitária da ocupação Muá. A partir das 10h limpeza, grafitagem,  montagem das prateleiras e ordenamento dos livros. A Ocupação Mauá tem quatro anos e abriga 227 famílias. O prédio era do antigo Hotel Santos Dumont que ficou abandonado por mais de 17 anos, não para IPTU  desde 1974 e a dívida está em  R$ 1,800 milhão.

 DIA 20 DE NOVEMBRO

FESTIVAL DE ROCK NA OCUPAÇÃO DA AV. SÃO JOÃO – 88 1º andar

Apoio : GALERIA DO ROCK  informações com Nazaré Brasil – 64458390   

 INSS Nove de Julho – Carmen: 9680-7409

Prestes Maia: Ivaneti de Araujo: 8915-5867

Av. Ipiranga: Heluiza: 9872-6682 – Eliete: 7518-1992 ou Maria do Planalto: 7193-7127

Av. São João,88 –  Antonia – 8407-6248  ou Osmar Borges  – 8302-8197 

Retrospectiva das ocupações de 4 de outubro

A ameaça de reintegração deixa as famílias apreensivas. Depois de ocuparem prédios que estão abandonados há décadas, que têm dívidas astronômicas com a cidade, ele enfrentaram até  confinamento. Foram  impedidos pela polícia, de receber água e comida durante um dia inteiro. No prédio da Av. Ipiranga três mulheres desmaiaram  e tiveram que sair carregadas. Só no início da noite do dia 4 de outubro, foi autorizada a entrada dos alimentos.

Muitas pessoas visitaram os locais para ouvir e conhecer quem são essas famílias neste período. Jornalistas  pernoitaram nos prédios, alguns por um semana, para ouvir  as famílias  contando sobre o suplício de morar e criar os filhos com o esgoto e ratos entrando em casa, tendo que optar entre comer e pagar o aluguel. Pessoas que, apesar de trabalharem duro, são sub-remuneradas, que ajudam a construir essa cidade e o país, mas não participam das riquezas que produzem.

 Este é o perfil das famílias que desde a segunda-feira, 04 de outubro, estão ocupando quatro prédios abandonados no centro da capital Paulista. Muitas delas já foram despejadas ou estão em favelas da periferia, sob ameaça de iminente despejo. Na Avenida Ipiranga,799, estão 1100 pessoas despejadas, em novembro de 2009, do terreno localizado na Av. Bento Guelfi,1.800, Jdm Limoeiro – São Matheus, e a área que tem dívidas de dois milhões com o BNDES, continua abandonada. Na Av. Prestes Maia, 911, estão mais 300 pessoas, representando suas famílias que estão em cortiços e áreas de risco, no centro. O Edifício Prestes Maia continua abandonado há mais de 20 anos, com dívidas de IPTU em torno dos de 4 milhões. Na avenida São João, 88,está ocupado por. cerca de 600 pessoas da Zona Leste, parte dos despejados da Bento Guelfi e outras da ocupação do Linhão da Eletropaulo. Na Av. Nove de Julho,584, o Prédio também do INSS, abandonado há mais de vinte anos, já foi ocupado quatro vezes por famílias sem teto e na última negociação foi homologado Termo de Compromisso entre os governos Federal, Estadual e municipal para habitação de interesse social. O TC até o momento não saiu do papel. A Frente de Luta Por Moradia pede a desapropriação dos imóveis e o cumprimento dos acordo por parte do poder público.

Além da cobertura dos veículos de comunicação de massa, a FLM, pode informar os acontecimento com a ajuda de celular, deste blog, emails e o twiter, ferramentas de comunicação bastante simples. Os celulares são mais fáceis de usar por todos, no uso das ferramentas da internet os jovens têm mais domínio e é possível fazer de qualquer lan house. Temos que agradecer o trabalho sério de muitos jornalistas estão nos ajudando a informar  a cidade e o país sobre a questão da moradia na cidade de São Paulo.

As propostas publicadas em carta aberta pela FLM

1. Abertura do edital de contratação do projeto do imóvel do INSS na Avenida Nove de Julho, número 1084, com 540 unidades habitacionais. Projeto parado há mais de dez anos. 2. Desapropriação dos seguintes imóveis e terrenos apresentados pela FLM: Edifício Prestes Maia, nº 911, com 229 unidades; Prédio da Rua Mauá, 340 com 130 unidades; e terreno localizado à Av. Bento Guelfi,1.800 com 840 unidades. Essas são lutas que os movimentos da FLM travam há pelo menos 8 anos. 3. Apresentação de cronograma de atendimento em unidades habitacionais de COHAB, CDHU e Minha Casa, Minha Vida para as famílias assistidas no programa de atendimento emergencial e Parceria Social totalizando 1.200 famílias; 4. Assegurar atendimento das famílias assistidas no Programa emergencial e Parceria Social nos empreendimentos Teotônio Vilela na Zona Leste de São Paulo, são 480 unidades; 5. Atendimento imediato das 60 famílias habilitadas no Programa PAR II (compromisso feito pela Diretoria Comercial de COHAB e Superintendência de HABI), há 5 anos na espera; 6. Definir a demanda dos 53 imóveis desapropriados no centro, garantindo a destinação de 1000 unidades para famílias organizadas nos movimentos do centro ligados à FLM; 7. Construção de projeto habitacional destinado as 700 famílias da Favela da Eletropaulo, localizada no Jardim Ipanema, Zona Lestes, prestes a sofrer reintegração de posse; 8. As famílias devem ser indicadas a projetos habitacionais definitivos pelas suas organizações de sem-teto. Participar da demanda quem pleiteia seu Direito.

Coordenação Geral da FLM  – Osmar Borges-Tel: 8302-8197 ou 9516-0547

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *