Aos trabalhadores e sem tetos só resta o combate. Combater pelos seus direitos e pela Justiça. Ocupar as propriedades abandonadas, buscando um refúgio para proteger suas famílias e lutar por justiça.

Sem Tetos ao combate

A violência contra os trabalhadores se espalha. A PEC 241, aprovada no congresso faz o salário mínimo virar pó. Se as novas regras da PEC do Teto dos Gastos tivessem entrado em vigor há 20 anos  o salário mínimo em vigor no País seria de apenas R$ 400,00.  Hoje é R$ 880,00 seria menos da metade. Daqui a 20 anos, em 2036 o trabalhador não conseguirá pagar nem uma vaga de pensão com o salário de um mês. Será comido ano a ano. Se corrigido pela sistemática atual, em 2036 o salário mínimo valerá R$ 7.082,06. Com a PEC 241 cairá para R$ 2.439,76. Será comido ano a ano. Em 20 anos, em 2036, perderá R$ 4.642,30. Esta desvalorização do salário impactará negativamente no rendimento de todos os trabalhadores. Domésticos, operários, funcionários públicos, prestadores de serviços e aposentados. A violência econômica já bate na porta de quem vive do trabalho e baterá mais forte daqui pra frente. O desemprego já atinge 12 milhões de pessoas. Esta situação ligada ao trabalho informal e os baixos salários que não cobrem as necessidades das pessoas levam o caos na vida dos trabalhadores.

Combinado com o ataque aos salários a PEC 241 busca aniquilar a previdência, a saúde, a educação e a assistência social. Isto tudo para aumentar a exploração dos trabalhadores. Impondo-lhes um massacre econômico e social.

Para isso aprimoram uma máquina de opressão mortífera. Nos últimos cinco anos foram assassinadas no Brasil: 278. 839 pessoas. Lá na guerra da Síria foram assassinadas 256.124 pessoas. Ou seja, matou-se mais no Brasil do que no mesmo período lá na guerra. É uma situação desastrosa tanto para os sírios quanto para os brasileiros.

O quadro econômico que se aprofundará agravará a fome e a desesperança para os trabalhadores.

Os sem tetos serão atingidos em cheio. A máquina opressiva do Estado –  Forças de Segurança, Judiciário e mídia oficial, etc. agirão para proteger as propriedades, aqueles que mandam no Estado e os interesses econômicos em geral.

Aos trabalhadores e sem tetos só resta o combate. Combater pelos seus direitos e pela Justiça. Ocupar as propriedades abandonadas, buscando um refúgio para proteger suas famílias e lutar por justiça.

A justiça agora se expressa pela ocupação das propriedades fora da lei. Das propriedades sem função social e que impede, que milhões de trabalhadores tenham uma casa para morar.

Enquanto os estudantes ocupam as escolas e travam uma luta justa para salvar a educação. Nós sem tetos, ocupamos imóveis abandonados fora da lei para assegurar a justiça social e conquistar nossa moradia.

Irmanamo-nos todos: estudantes, sem tetos e trabalhadores na luta por justiça. Esta ação de ocupação de imóveis abandonados tem como fundamento a proteção de nossos filhos e de nossas famílias.

 

Relação das ocupações feitas hoje

1)            Rua Ana Aslan, – Parque do Engenho

2)            Rua Profº  Wilson Reis Santos, s/nº – Guaianazes.

3)            Rua Antônio de França e Silva, 953 – Jardim Adutora – Distrito de Sapopemba

4)            Av. Ipiranga, 908 – República

5)            Av. Nove de Julho, 564

6)            Rua Doutor Alcides C. Bueno Filho – Jardim Peri –  Lauzane Paulista

7)            Rua Apa, 182 – Santa Cecilia – (foram violentamente retirados pela Policia Militar).

Av. Osvaldo do Vale Cordeiro, esquina com Av. Alziro Zarur, s/nº  – Parque Savoy

8)           Rua Dias Lemos, 320 – Mooca (ocupado pelo MMPT).

9)           Rua Refinaria Presidente Bernardes – Jardim Santo Eduardo.
10)         Av. Parada Pinto, 1770
11)          Av. Osvaldo do Vale Cordeiro, esquina com Av. Alziro Zarur, s/nº  -Parque Savoy
12)          Rua Marco Gagliano,55 – Cidade Ademar – Antigo Motel Cleans

 

São Paulo, 31 de outubro de 2016

Informações com Helô Regina – Tel: 96933 9140

FLM – Frente de Luta por Moradia

MMPT – Movimento de Moradia Para Todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *